Executiva da Huawei presa enfrenta acusações por fraude para violar sanções ao Irã

Meng Wanzhou foi detida no Canadá a pedido do governo americano. Ela comparece à corte para uma audiência de fiança, que está em andamento, enquanto aguarda possível extradição para os EUA. Representação Meng Wanzhou, da Huawei, em tribunal de Vancouver, nesta sexta-feira (7)
Jane Wolsak/Reuters
A vice-presidente financeira da chinesa Huawei Technologies, Meng Wanzhou, que está presa no Canadá, enfrenta acusações de fraude para violar sanções impostas pelos Estados Unidos ao Irã, informou um tribunal de Vancouver nesta sexta-feira (7).
Huawei: por que a gigante chinesa virou alvo de vários países
A executiva, de 46 anos, que também é filha do fundador da empresa, foi detida em 1º de dezembro a pedido do governo norte-americano. Ela comparece à corte nesta sexta para uma audiência de fiança, que está em andamento, enquanto aguarda possível extradição para os EUA.
A prisão, revelada pelas autoridades canadenses na noite de quarta-feira, é parte de uma investigação dos EUA sobre um esquema para usar o sistema bancário global para contornar as sanções de Washington contra o Irã.
Entre 2009 a 2014, a Huawei teria usado a empresa Skycom para realizar negócios no Irã, apesar das proibições dos EUA e da União Europeia.
Se for extraditada, Meng enfrentará acusações de conspiração para fraudar Leia a notícia completa

Fechar Menu

Fique por dentro!

Receba nossas novidades direto no seu email!
QUERO RECEBER!
Fechar
Fique por dentro!